© 2016 por Monica Campello. Escritora para a glória de Deus!

  • 10411954_685602844810247_333669641129231921_n
  • 11060882_418988858270919_2397584092961867947_n
  • 12036535_1673158749594699_5900628048313839229_n
  • 4vertical
  • palavras face
  • oie_gGxu4nef26VX
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Tags
Destaque

Bons pensamentos em frases

January 17, 2017

O diabo vibra quando a gente tem medo e deixa de agir por falta de fé.

Deus não tem prazer quando recuamos em vez de fazer o que deve ser feito mediant...

1/2
Please reload

Aleluia! Louve, ó minha alma ao Senhor. Tudo o que tem vida louve o Senhor! Aleluia! (Sl 146:1 - 150:6).

20.11.2017

Aleluia! Louve, ó minha alma ao Senhor. Tudo o que tem vida louve o Senhor! Aleluia! (Sl 146:1 - 150:6).
A leitura indicada para hoje é dos Salmos 146 ao 150 - todos os versículos. Urge que se louve ao Senhor de toda a terra e de toda a criação a fim de que não venhamos a nos esquecer de todas as suas obras em nosso favor provenientes de seu amor e justiça.
Precisamos nos aproximar mais de Deus porque os dias são maus, sim, os dias são muito maus, a ponto de sutil e gradativamente afastarem de Deus o povo de Israel, a nação santa, o sacerdócio real, o povo escolhido para glorificar o nome do Senhor, e tudo isso em nome da moderníssima alteridade que em nome do homem vem sobrepujando o nome de Deus - para haver alteridade não há necessidade de expatriar Deus (falo como cristã, sem nenhum demérito a outras religiões e crenças). No respeito e consideração pelo outro nas relações interpessoais, onde se enquadra o repeito por Deus e a consideração por sua palavra e pelo conceito de fé advindo de uma relação de comunhão com Ele?
Empregar a alteridade não significa que devemos nos coadunar com aquilo que seja contrário à verdade divina na qual uma pessoa crê apenas pelo propósito de agradar outrem, socialmente falando - estão confundindo as coisas em meio às questões de intolerância, diversidade, pluralidade, ideologias, etc. Que os princípios da outridade não sejam motivo para inibir a relação do homem com Deus em favorecimento único à relação social entre os homens.
Que cada um aprenda a respeitar a religião do outro e não queira o respeito apenas pela sua fé, pelas suas concepções; se queremos ser respeitados, precisamos aprender a respeitar, se queremos que respeitem nossos direitos, precisamos aprender a respeitar o direito dos outros, se queremos que respeitem as nossas convicções, crenças e fé, precisamos aprender a fazer o mesmo com relação aos outros. Isso sim é alteridade prática e relacional.
Eu te respeito, mas você também deve me respeitar. Eu respeito as suas opiniões da mesma forma que você deve respeitar as minhas. Ou você quer apenas ser respeitado sem respeitar o que concerne aos outros, e chama isso de alteridade? Urge que se revejam conceitos novos a fim de que se aprendam a colocá-los em prática adequadamente para que não envileçam conceitos antigos nem os envelheçam como se pudessem ser descartados na atualidade, pois é dos antigos que aprendemos os conceitos de bem-viver em família e sociedade: “Não mude de lugar os antigos marcos que limitam as propriedades e que foram colocados por seus antepassados” (Pv 22:28). O senso de justiça divino no sentido de proteção à terra, ao espaço real e virtual, aos limites da tradição sociocomportamental, sociofamiliar, espaçotemporal, de cada povo, grupo, família, implica que no decurso do tempo seus valores não sejam suprimidos visto que dos antigos os aprendemos e passamos adiante.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload