AMOR ÁGAPE = Obediência: se obedeço a Deus, eu o amo!


Quando alguém me faz mal e eu sinto ódio da pessoa, eu cometo pecado, por mais que o erro tenha partido dela. A partir do momento que eu sinto ódio, preciso lhe pedir perdão pelo ódio que senti a fim de que eu seja purificado.

Nesse caso, pedir perdão a Deus em particular é diferente de pedir perdão ao ofensor que o ofendeu. O resultado dessa ação de reparação é surpreendentemente inexplicável!

Quando Deus falou à minha mente, por meio da pregação, que eu devia pedir perdão a uma pessoa que me ofendera, no momento eu achei aquilo um absurdo, e cheguei mesmo a questionar a Deus no altar: “Como, Senhor, vou pedir perdão a uma pessoa que me traiu da pior forma?! Ela é quem deve me pedir perdão e não eu a ela. Foi ela quem errou e não eu!!!”

Então, entendi que Deus me respondeu assim: “Simplesmente, vá e peça perdão”. Decidi obedecer sem questionar, e aprendi que o entendimento segue à obediência.

O resultado foi maravilhoso para mim, pois recebi a libertação daquilo que me fazia mal e ao mesmo tempo desagradava a Deus. Imediatamente me lembrei de uma frase que tinha ouvido muito tempo atrás em uma rádio: “O ódio é a arma voltada para o peito de quem odeia” (autor desconhecido).

Minha alma estava sob ameaça e eu não sabia, mas Deus sabia. Eu odiava e não sabia, mas Deus sabia, e queria me libertar de tão grande mal para que minha alma não se deteriorasse e viesse a se perder.

Portanto, falo por experiência. Deus me concedeu a bênção da libertação pela minha própria iniciativa de lhe obedecer à instrução.

Fiz o que decidi fazer e a primeira coisa que recebi foi a liberação da carga do ódio: “Os deveres que eu exijo de vocês são fáceis, e a carga que eu ponho sobre vocês é leve” (Mt 11:30). Não sabia mais o que era aquilo; não reconhecia mais aquele péssimo sentimento.

Após consumar o ato do pedido de perdão ao meu ofensor, sem maiores explicações (pelo que ele não entendeu nada), recebi de Deus uma libertação sem igual e quase inexplicável; uma experiência de libertação tremenda comprovada após o feito.

Jesus não precisou pedir perdão aos seus ofensores porque ele não odiou ninguém, por pior dano que lhe causassem. O amor que Jesus deu não foi equivalente aos maus-tratos que recebeu. E mesmo assim ele continuou amando!

Daí, alguém diz em sua superautovalorização: “Eu mereço todo o amor que tento dar aos outros”. Porém, quando der amor, simplesmente não espere receber amor de volta. Não espere nada em troca. Apenas ame.

Uma pessoa “até mereceria” receber amor de volta quando dá amor, mas não é assim que o amor funciona. O amor não visa seus próprios interesses e benefícios (1 Co 13:1-8).

Disse Jesus em seu amor ágape, o amor de Deus, amor de abnegação, amor de obediência, para amarmos os nossos inimigos e perdoarmos quem nos maltratou” (Mt 5:44; 18:21,22).

As coisas sem relação com o amor têm medida e condições: se recebe pouco, dá pouco; se recebe muito, dá muito. Mas com o amor não é assim, pois o amor é incondicional.

Destaque
  • 7 livros
  • LinkedIn ícone social
  • 10411954_685602844810247_333669641129231921_n
  • 105877862_3304579512893603_5748729188284
  • Litwin, Edith.
  • 11060882_418988858270919_2397584092961867947_n
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon

© 2016 por Monica Campello. Escritora para a glória de Deus! Professora graças a Deus!