ENSAIO SOBRE NOÇÃO DE ACUSAÇÃO E PERDÃO NA ESFERA ESPIRITUAL


Não é que Jesus aprovava o que o bandido fazia, o que o prostituto fazia, o que o falso discípulo fazia, mas que ele amava cada um por sua essência como gente. A concepção do amor de Deus vai contra o “instinto” do homem.

Porque não entendiam seu pensamento, suas ações e reações, tinham-no por revolucionário em meio a uma sociedade cujos conceitos abrangiam sentimentos de ódio, vingança, justiça com as próprias mãos, revelando a falta de amor “interior” que inundava a alma contra a qual ele se pronunciava, porque Deus é amor.

Esse amor de Deus é incondicional, imparcial, i.e., sem acepção de pessoas, mas o problema jaz no interior do homem. Por isso, Jesus pediu a Deus para que perdoasse aqueles que o injuriavam porque não sabiam o que faziam. Quem poderia compreender tal amor?!

Todavia, o sistema ao qual a humanidade se adaptou é o que aplica a lei mosaica “Olho por olho, dente por dente: assim como feriu será ferido” em detrimento da graça revelada por Jesus “Amarás o teu próximo como a ti mesmo “.

Esse sistema legalista que invade mentes e corações, proclamando punições — diga-se, en passant, “devidas” conforme o delito cometido por cada delinquente — não esclarece que a punição é tão somente para o malfeitor, e não para suas vítimas, pois se a vítima manifesta sentimentos contrários à doutrina do amor cristão, ela está se corrompendo interiormente.

Por isso, está escrito: “Irai-vos e não pequeis”, ou seja, a ira que clama por justiça não é pecaminosa; pecaminosa é a reação interior que culmina na destruição da pureza do ser porque elimina, destrói, erradica toda a possibilidade da manifestação do perdão, motivo pelo qual Jesus veio a nós como homem, como nós, para que soubéssemos que assim como ele perdoou aqueles que o injustiçaram, nós devemos fazer o mesmo. Nisso está a pureza da alma que não se contamina.

O mal não tem poder para corroer e corromper o amor, a não ser que a pessoa permita. Se ela permite, ela é responsável pelo mal que ela coloca sobre ela mesma e dentro de si mesma. O mal não estava nela, mas entrou com a sua permissão. Da mesma forma que Jesus bate na porta do coração pedindo permissão para entrar. É a pessoa quem abre a porta do coração, para o mal ou para o bem, e, depois disso, cada um responde segundo suas obras.

Por isso que depois a pessoa não compreende porque está passando por isso ou por aquilo, porque não lembra dos pecados cometidos, pois acreditava que não era pecado, mas senso de justiça. No entanto, é preciso compreender o que é senso de justiça para não a confundir com as diversas faces da vingança. É aí que entra a razão da vinda de Jesus: perdão para salvação.

Muitos, porém, confundem o amor de Jesus com rebelião ou afronta às autoridades ou imbecilidade por estarem com os ouvidos tapados e os olhos vendados para não compreenderem a verdade que liberta, pois se encontram nessa condição por serem eles os verdadeiros rebeldes à causa de Cristo.

A verdadeira justiça não extingue a manifestação do amor pelo próximo — um ser igual com suas respectivas diferenças. É mister que o indivíduo permaneça incólume em sua constituição trinitária de corpo, alma e espírito a fim de corresponder às instruções dadas por Jesus, se é que é um seguidor fiel, e não de carteirinha ou por status social ou da boca para fora! Essas últimas manifestações não refletem o amor de Cristo, mas um fim amargoso. Jesus jamais os conhecerá.

“E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo” (Mt 24:12,13).

Destaque
  • 7 livros
  • LinkedIn ícone social
  • 10411954_685602844810247_333669641129231921_n
  • 105877862_3304579512893603_5748729188284
  • Litwin, Edith.
  • 11060882_418988858270919_2397584092961867947_n
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon

© 2016 por Monica Campello. Escritora para a glória de Deus! Professora graças a Deus!