top of page

Ingratidão

Ingratidão


Não se sabe o que é pior: calar ou falar. Um calou e outro falou. O que calou magoou pela indiferença, pelo abandono, pela desconsideração, pelo desprezo; o que falou magoou pelas palavras duras, pelas inverdades, pela mesquinhez, pelos gestos excludentes. De toda forma, as duas situações têm em comum a ingratidão e a amizade incerta.


Além disso, há pessoas que não agradecem, não sabem agradecer ou preferem não agradecer para não mostrar ao seu benfeitor ou a todos os demais ao seu redor que elas receberam um bem de alguém. 


Em vez de agradecer, ainda ironizam e lhe metem o malho, dizendo que o que alguém fez por elas não foi bem feito ou poderia resultar em possíveis problemas, deixando de lado o mais importante que é a dedicação dispensada e o tempo investido pelo benfeitor em seu favor, sem qualquer interesse além do desejo de ajudar.

Em vez de demonstrar gratidão em todas as oportunidades que têm, preferem desmerecer o favor recebido. Por exemplo, quando o benfeitor lhes presta um favor, como levar de carro para algum lugar necessário, preferem relatar o medo que sentiam todas as vezes que andavam de carro com o motorista benfeitor, dizendo que ele poderia dormir na estrada.


Contudo, em nenhuma das vezes durante as viagens disse isso para o motorista, mas o fizeram diante de outras pessoas como forma de desmerecer o cuidado investido pelo benfeitor. Isso também reflete ingratidão.


Jesus perguntou pelos doentes curados que não voltaram para agradecer a cura (Lc 17:17,18). Jesus não estava fazendo questão de ouvir um “Muito obrigado!“, mas, na verdade, ele indagava sobre o sentimento de gratidão no coração das pessoas. A questão não é necessariamente agradecer, mas a motivação do espírito que leva alguém a agradecer; ou seja, o reconhecimento do bem que alguém fez por outrem.


Jesus perguntou ao samaritano curado de lepra onde estavam os outros nove que juntamente com ele foram curados pelo favor divino. O samaritano tinha consciência plena de que havia sido curado pelo poder de Deus, e, imbuído do sentimento de gratidão profunda, voltou para agradecer a Deus; ele seria incapaz de dar prosseguimento à sua vida sem antes reconhecer publicamente, diante do doador da bênção, o poder da cura, da libertação e da salvação divina, pois, com esse gesto, ele demonstrou que queria estar com Deus desde aquele momento e para sempre porque sabia o que Deus tinha feito em seu favor, e estar com Deus seria uma expressão de gratidão eterna.


Entretanto, os outros nove que foram curados fisicamente não voltaram para dar graças a Deus pela bênção recebida; ou seja, não se importaram com sua comunhão com Deus e, consequentemente, com sua libertação e salvação. Deram importância somente à cura física em detrimento da espiritual visto que a fé do samaritano o curou.


O fato de ser curada por Jesus de uma doença física não significa que a pessoa tenha sido liberta de males espirituais; tampouco significa que tenha alcançado a salvação. por isso, Jesus disse que a fé do samaritano o tinha curado porque ele tinha comunhão com Deus. Os outros foram curados fisicamente, mas o samaritano foi curado tanto física quanto espiritualmente assim como em sua mente, em suas emoções etc.


Obs.: autor da foto desconhecido




Komentarze


Destaque
bottom of page