Quando pedras atiradas contra nós se tornam nossas musas inspiradoras

Concordo com o pensamento. A minha mais pura verdade e pensamento constante.


Musas inspiradoras para autoanálise


O que penso sobre mim fala muito mais de mim do que o que pensam de mim.


Porque, se eu me deixar levar pelo que pensam de mim, eu posso correr o risco de deixar de ser eu mesma. Eu não posso perder a minha identidade por causa dos outros; eu preciso ser eu mesma. Eu não posso ser o que querem que eu seja, nem pensar como querem que eu pense, nem fazer o que querem que eu faça para satisfazer os seus caprichos.


Logo, não importa o que pensam ou dizem de mim quando eu sei o que Deus pensa e diz sobre mim. Porque o que dizem ou pensam de mim pode até estar certo, às vezes, e pode até me ajudar se estiverem certos, mas com certeza o que Deus diz ou pensa de mim é o que verdadeiramente devo considerar acima de qualquer opinião humana porque isso sim é plenamente certo.


Não é que eu me ache perfeita e “sempre certa”, mas porque é uma realidade que a gente reconhece dentro de si mesmo pelos próprios atos apesar de não acreditarem na gente. Uma pena!

Eu sei quem eu sou quando acerto e também quando eu erro apesar de pensarem que eu não reconheço minhas próprias falhas. Mas Deus sabe o quanto eu as reconheço: ciúmes, inveja, raiva, entre outros sentimentos ou emoções ruins, e bons também.


Essa assunção de si mesmo não é algo simples de se fazer, mas extremamente necessário para que possamos vencer a nós mesmos em nossas debilidades humanas. Se não for assim, se não houver confissão e desejo de autocorreção, estaremos dando brecha para depressões, desânimos, falta de paz. Se eu não reconhecer essas coisas diante de Deus a cada vez que elas se manifestam, eu jamais alcançarei a minha libertação para alcançar a minha paz. E Deus sabe que isso é verdade.


É porque as pessoas não nos conhecem como Deus nos conhece. Elas nos confundem devido às suas pessoalidades. Quando o seu modo de ser e de pensar, ou seja, quando a sua concepção de vida destoa da nossa, torna-se realmente difícil um compreender o outro.


Porém, uma coisa eu tenho aprendido na vida: eu preciso aprender a me adaptar às pessoas e não esperar que elas se adaptem a mim. Esse é um grande começo para uma grande conquista de paz interior e exterior.


Tornamo-nos desamados sem mais nem menos, sem mais nem porque de quem menos se espera. Muitas vezes o desamor surge gratuitamente, sem maiores explicações para o desamado porque só quem entende esse desamor é quem passa a desamar pelos motivos que só ele conhece.

Deus nos ajude a sermos cada dia melhores. Amém.



Destaque