Marca da besta?



Recentemente, alguns leitores do Novo Testamento leram a “marca da besta” do Apocalipse como uma referência codificada às vacinas Covid.


As manifestações públicas contra as vacinas contra a Covid incluíram faixas que refletem a recusa dos manifestantes em “tomar a marca da besta”.


Mas essa compreensão da marca faz justiça ao contexto judaico original do Apocalipse?

Em tempos de crise, a Bíblia traz conforto e clareza para milhões ao redor do mundo. À medida que enfrentamos as dificuldades e incertezas de uma pandemia global, as Escrituras são um lembrete de provações passadas e esperança futura. No entanto, muitos leitores usam o texto bíblico como uma espécie de bola de cristal que oferece alusões criptografadas a situações difíceis. Recentemente, alguns leram a “marca da besta” do Apocalipse como uma referência codificada às vacinas Covid. As manifestações públicas contra as vacinas incluíram faixas que refletem a recusa dos manifestantes em “tomar a marca da besta”. Mas essa compreensão do Apocalipse remove a marca de seu contexto histórico e força uma suposição moderna sobre uma ideia antiga. O significado original e judaico da marca não tem nada a ver com receber vacinas. Em vez disso, uma pessoa receber a marca da besta é uma forma simbólica de dizer que abandonou os mandamentos de Deus.


Apocalipse prevê um tempo em que uma besta se levantará e fará com que “pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, sejam marcados na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender, a menos que tenha a marca” (Ap 13:16-17). Certos círculos que acreditam na Bíblia equiparam essas palavras com o lançamento de vacinas contra o Covid; receber a vacinação equivale a ser “marcado” com a mancha bestial. Mesmo em uma leitura superficial do Apocalipse, essa equação é duvidosa. As agulhas de vacinação vão para os braços, não para as mãos ou testas, e recusar uma vacina não elimina a capacidade de transportar, trocar ou trocar – as transações econômicas on-line não exigem cartões de vacinação. A compreensão do real significado da marca da besta depende de uma exegese cuidadosa, não de eventos atuais.


Quando os intérpretes consultam as páginas das Escrituras, em vez das notícias de primeira página, a conotação bíblica da marca torna-se mais clara. O Apocalipse descreve a marca sendo colocada “na mão direita ou na testa” (Ap 13:16), que ecoa a descrição dos mandamentos de Deus na Torá: “Você os atará como um sinal em sua mão, e eles serão como frontais entre os olhos” (Deuteronômio 6:8; cf. 11:18). Com base neste versículo, os judeus posteriores afixaram Tefilin (תפלין) - pequenas caixas contendo textos bíblicos - em suas mãos e testas. No Novo Testamento grego, os tefilin são chamados de “filactérios” (φυλακτήρια; Mt 23:5), e os judeus praticantes usam esses adornos rituais durante a oração até hoje. Assim, de uma perspectiva judaica, fica imediatamente claro que a “marca da besta” substitui os mandamentos divinos; aceitar esta marca é rejeitar a vontade de Deus. Uma dose de vacinação não está totalmente relacionada à capacidade de seguir os mandamentos bíblicos.


Apocalipse também invoca imagens de Ezequiel. Antes do exílio babilônico, o Senhor ordena: “Passe pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e coloque uma marca nas testas (תו על-מצחות; tav al-mitshot) do povo que suspira e geme todas as abominações que nela se cometem” (Ez 9:4). Esta “marca” (תו; tav) salva todos que a usam da força destrutiva da Babilônia (Ez 9:6). O Apocalipse inverte o cenário profético. Em vez de pessoas receberem uma marca em suas testas para a salvação, João imagina as pessoas sendo marcadas para a destruição. Aqueles que estão marcados em Ezequiel representam o remanescente justo de Israel que permaneceu fiel a Deus e manteve os mandamentos celestiais; aqueles marcados em Apocalipse escolhem ficar do lado da besta ao invés do Senhor.


O evento em Ezequiel tem precedente em Êxodo. Descrevendo o significado da Páscoa, Moisés diz ao seu povo: “Você dirá a seu filho naquele dia: 'É por causa do que o Senhor fez por mim quando saí do Egito'. tua mão (ידך; yadekha) e como um memorial entre os teus olhos, para que o ensinamento do Senhor (תורה; torá) esteja na tua boca” (Êxodo 13:9). Como em Ezequiel, aqueles a quem Deus salva carregam a marca divina. Mais tarde, no mesmo capítulo de Êxodo, Moisés diz ao povo para consagrar seu primogênito a Deus, e a justificativa para essa prática é uma lembrança da salvação de Israel. “Pois, quando o faraó se recusou a nos deixar ir”, diz Moisés, “o Senhor matou todos os primogênitos na terra do Egito, tanto os primogênitos dos homens como os primogênitos dos animais… mas todos os primogênitos de meus filhos eu resgato. Será por sinal na tua mão e frontais entre os teus olhos, porque com mão forte o Senhor nos tirou do Egito” (13:15-16). A marca do Senhor significa salvação da morte e destruição, e Apocalipse apresenta o inverso negativo para aqueles que recebem a marca da besta.

No contexto original do Apocalipse, a “besta” (θηρίον; therion) representa Roma, também chamada de “Babilônia”. Em última análise, João vê o fim do império romano e, por extensão, todos os que receberam a marca da besta: “Caiu, caiu Babilônia, a grande…. Se alguém adorar a besta e sua imagem e receber uma marca na testa ou na mão, também beberá o vinho da ira de Deus” (14:8-10; cf. 18:2). Enquanto aqueles que estão do lado de Roma encontram a destruição, aqueles que permanecem fiéis a Deus desfrutam da vida eterna: “Aqueles que não adoraram a besta ou a sua imagem e não receberam o sinal na testa ou nas mãos… Cristo por mil anos” (Ap 20:4).


Francamente, a noção de que a “marca da besta” é uma vacina contra a Covid zomba da mensagem bíblica. Se a marca bestial fosse um tiro no braço, isso significaria que qualquer um que decidisse se proteger de uma pandemia mortal perderia a vida eterna. Os cartões de vacinação não impedirão a entrada no reino dos céus. Em vez de se preocupar com o fato de seus nomes estarem arquivados em um local de vacinação, os cristãos devem se concentrar em ter seus nomes “escritos no livro da vida do Cordeiro” (Ap 21:27).

Por: https://weekly.israelbiblecenter.com/is-vaccination.../...

Destaque