top of page

Respeito à diversidade

Respeito em meio à diversidade religiosa temporal e espacial: uma questão terrena


A bênção de Deus não é tão rápida assim como a gente quer. As coisas acontecem no tempo de Deus e esse tempo para o ser humano pode ser um longo tempo, mas para Deus é o tempo perfeito.


Moisés nasceu, e aos quarenta anos de idade sentiu desejo de visitar os seus irmãos, os filhos de Israel, e aos oitenta anos foi comissionado por Deus como príncipe e libertador do povo de Israel que vivia escravizado no Egito, e por quarenta anos viveram no deserto antes de entrarem na terra prometida.


Porém, houve muitos milagres presenciados por todo o Israel durante todo esse período em que Deus lhe dava a oportunidade de se voltar para Deus que o livrou da escravidão, mas tristemente passou a idolatrar falsos deuses, e com isso afastou Deus de suas vidas. Não foi Deus quem o abandonou; antes, foi ele, o Israel de Deus, que abandonou Deus em adoração a deuses estranhos — estranhos no tocante ao entendimento da adoração ao Deus bíblico-cristão.


E no mundo atual, fala-se muito em diversidade religiosa entre tantas outras. Porém, o que se deve compreender dessa diversidade é o respeito que se deve ter pela fé alheia que não corresponde necessariamente à mesma fé de outras pessoas. Um deve respeitar a fé do outro.


Na diversidade religiosa, o respeito à fé alheia deve ser mantido, pois ninguém é obrigado a adorar os deuses dos outros. Porém, tratando-se de uma pessoa cristã e cuja fé em Deus, Jesus Cristo, foi confessada publicamente, adorar outros deuses se constitui em pecado.


Se uma pessoa se diz cristã, mas adora outros deuses que não o Deus de Israel — o Senhor Jesus — entra em contradição com a sua própria fé, pois está escrito que é impossível adorar a dois deuses; ou se adora um e abandona o outro, e vice-versa.


"Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e a Mamom [um deus]” (Mt 6:24).


Portanto, o problema não está na fé que uma pessoa deposita em um ser espiritual qualquer que seja, pois cada pessoa tem o direito de adorar, idolatrar o ser espiritual que ela quiser. O problema, no entanto, está em uma pessoa se dizer cristã e adorar deuses ou seres espirituais que não correspondem a fé bíblica-cristã.


E, por isso mesmo, a diversidade religiosa pressupõe o respeito ao próximo e às suas escolhas, coisa que pessoas de mente radical ou extremista não conseguem compreender, pensando que têm o direito de sair mundo afora chutando e quebrando imagens de adoração de outras religiões. Esse não é o caminho.


É preciso saber que fé ou que tipo de idolatria se pratica em determinada região e somente falar de Deus e de suas obras e de seus milagres e de suas bem aventuranças e de suas promessas e de suas bênçãos para aqueles que querem ouvir, pois eles têm todo o direito de não quererem ouvir da mesma forma que o cristão tem toda a obrigação de não falar nada a quem não quer ouvir; isso se aprende na Bíblia.


Se as pessoas com suas religiões mantiverem esse pensamento, sempre haverá respeito recíproco entre os religiosos. E, havendo respeito, há equilíbrio nas ações e nos comportamentos. Desse modo, sempre haverá paz.


O cristão diz: Cada um adore os diferentes deuses que escolherem, mas eu adorarei ao meu Deus único. Como está escrito:

“Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, esco­lham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas eu e a minha família servi­remos ao Senhor" (Js 24:15).


Infere-se do texto que cada um tem a religião que quer e cada um deve respeitar a religião do outro. Não tem por que um invadir o espaço religioso do outro, impondo suas concepções religiosas e desrespeitando suas convicções religiosas.



Destaque
bottom of page